sábado, 29 de dezembro de 2012

UMA REFLEXÃO SOBRE A TEOLOGIA LATINO AMERICANA, A REALIDADE QUE PRECISA SER DESCOBERTA PELA IGREJA LATINA.


Vamos observar diferenças entre a Teologia Clássica e a Teologia Latino americana sua missão e aplicabilidade.

Teologia clássica trata de assuntos ligados a aspectos espirituais: Deus e seus atributos, o homem dividido em corpo, alma e espírito. Ou seja, trata de assuntos pertinentes mas que não encerram-se em si, não são o ponto final de um entendimento, é o pensamento reflexivo de uma geração de teólogos que viviam realidades distintas das do povo latino americano, não que sejam irrelevantes, pelo contrário, mas seguem uma linha de pensamento de pessoas que viviam uma realidade bem diferente das da américa latina, e a forte influência de Agostinho e da filosofia grega dualística deram o tom desta teologia, alma separada do corpo e seu entendimento também separado, a alma é a parte importante deste conceito, o corpo não é importante pois foi totalmente corrompido pelo pecado e é encarado como uma prisão para alma, visto que esta se prepara para o reino espiritual.
Teologia latino americana se preocupa com a práxis da igreja, da ação da igreja e presença da igreja no mundo. Diferença entre prática e práxis, prática é algo que fazemos automaticamente, escovar o dente, dirigir. Práxis é uma ação reflexiva, criativa, transformadora, libertadora e radical. A práxis não é somente reclamar dos problemas cotidianos, estruturais, doutrinários e quaisquer que sejam. Ela aponta o erro argumenta o porque que o objeto apontado está errado, traz uma reflexão fazendo com que os envolvidos pensem a respeito e apresente alternativas de correção do mesmo, interagindo com os envolvidos para a transformação daquele quadro para alcançar o desejado.


Para ilustrar o que esta sendo dito citaremos uma estória:

O dono de um canavial desejou desenvolver um programa de espiritualidade para seus funcionários e perguntou como faria tal plano, foi perguntado a ele o que entendia como espiritualidade, ele respondeu que era evangelizar seus funcionários, foi dito então:
Evangelizar é muito bom! É bíblico, porém seus funcionários tem problemas com álcool? Quantos deles tem seus cursos completos? E os filhos deles estudam? E saúde, eles tem algum acompanhamento?
O patrão espantado retrucou:
Mas isso é espiritualidade? Vou ter que gastar dinheiro montando uma escola? Um hospital?  E meus lucros? Vão diminuir muito com essa estrutura?
Sim seus lucros vão diminuir e dará um grande trabalho, você continua querendo criar um programa de espiritualidade que dê certo?
O dono do canavial saiu meneando a cabeça e pensando:
Dá muito trabalho!!!!!!

Como vemos o entendimento de espiritualidade é um tanto quanto deturpado, a preocupação é ensinar bíblia somente, como se fosse o suficiente, mas não se entende que a práxis têm que vir acompanhando isso tudo, deve haver transformação do ser e do ambiente, deve se fornecer os meios pelos quais estes cidadãos vão alcançar um nível de transformação, que mais tarde serão eles mesmos, meios da transformação de outros e assim a igreja estará cumprindo seu papel na integridade. A práxis altera toda a realidade, e mexe com a vida de todos para o bem comum, então os teólogos latinos observando toda injustiça que havia, toda opressão contra os pobres, governos ditatoriais, se entregaram a práxis, pois a pergunta era o que a igreja está fazendo aqui? Qual a sua relevância e em que ela tem transformado o ambiente em que está inserida, e mais, ela tem transformado pessoas em prol desta missão?
A resposta obviamente foi não, e nossa teologia se diferenciou neste aspecto, não mais nos preocupamos em se debruçar irresponsávelmente sobre as sistematizações teológicas, e deixamos de interpretar a missão dada por Jesus como sendo prioritariamente salvar a alma deste mundo vil, mas sim libertar integralmente o ser/cidadão das mazelas deste mundo, denúnciar o pecado social/estrutural e dar ao mesmo condições de também transformar outros tantos e o ambiente em que ele está inserido, pois entendemos que o que Deus criou não é ruim, mas sim nós é que destruímos e deturpamos sua criação, então nossa luta muda de foco, a igreja tem que desenvolver uma Práxis e não uma prática, Jesus sempre desenvolveu uma práxis, ele transformava o ambiente e consequentemente as pessoas que estavam ao seu redor, ele trazia cura, alimentava, ensinava, admoestava e orientava. Isso é práxis! Esses teólogos desenvolveram uma prática em prol da práxis, ou seja eles investigavam as necessidades do ambiente em que estavam, seja ele igreja, bairro, cidade, país e desenvolviam ações para essas necessidades de forma que elas fossem sanadas, fossem elas estruturais ou pessoais.
Os teólogos entenderam que o pecado não era somente pessoal e restrito ao coração, mas também era estrutural, ou seja, o evangelho tem que transformar as estruturas corrompidas para que se possa ter uma práxis transformadora , então o combate também é contra as estruturas que diminuem o ser criado por Deus. A escravidão, injustiça, violências, governos ditatoriais e corruptos, são pecados que a igreja não pode e não deve ter ligações pois representam um sistema corrompido, e que isto a aprisione e tire sua capacidade de ação, ela deve manter ligações libertatórias e de desconstrução desse sistema corrompido trazendo libertação e reestruturação, entendemos que a igreja tem mantido por muito tempo uma relação superficial e irrelevante com o mundo e que deve se aprofundar radicalmente para se tornar relevante, esta ação não pode nos levar a ser uma igreja ditatorial, ou seja, voltar as tempos medievais, esse é um grande perigo pois se não se aprofundarmos nas verdades bíblicas que expressam humildade, serviço e amor, corremos o grande risco de querer tomar conta e ditar as regras na sociedade assim como foi feito na idade média.

A Prática da Práxis.
 A igreja tem a obrigação de conhecer exemplarmente o local onde está inserida, conhecer todas as necessidades pessoais, geográficas e estruturais deste lugar, deve se preparar para esta missão. Os teólogos latinos impulsionados pela revolução teológica que estavam vivendo entenderam que tinham que conhecer a bíblia, mas também o local para onde esta pregação seria enviada (transculturalidade) para que o entendimento fosse máximo, o respeito as diversidades era algo novo, já que nossos irmão fundamentalistas ortodoxos não tinham esta sensibilidade e preocupação  sua visão era  colonizadora, ou seja, moldar por força o local em que estavam inseridos, isto vinha acompanhado de sua cultura e de um sentimento de messionismo, eles acreditavam ser os escolhidos de Deus para disseminar sua própria cultura, eles acreditavam que sua cultura era superior a dos outros povos e simplesmente ignoravam e eliminavam as culturas locais, implantando a sua no lugar, então os latinos lutaram contra esta prática, e se aprofundaram no estudo das ciências sociais, antropologia e filosofia, para melhor compreender as culturas e costumes e desta forma poder adequar a mensagem bíblica a estes povos de forma que fosse compreendida e não somente dita a estes. Isso tem uma grande diferença, pois, ao compreender o cidadão desenvolve a práxis e se torna um agente de transformação, e quando ela é somente pregada de forma aleatória, não há como conseguir um resultado profundo, mas sim superficial a pessoa que somente escuta não absorve e não pratica, não é transformada. Nada que é feito de forma forçada produz frutos bons, somente com o respeito, amor e liberdade estes frutos são formados de dentro para fora e isto sim gera transformação. (At. 10:38)
Através disto é que as pessoas, a sociedade e o mundo vão ver que o Reino de Deus chegou! Ele causa a transformação através de atitudes, o reino defende os pobres, luta por justiça e bota sua cara na reta, não se omite diante dos problemas, das injustiças, das desigualdades, da falta de amor e compaixão, da opressão. A igreja integral denúncia isso tudo, vai a luta, se alegra e chora junto, anda mais uma milha, come o sal e é o próprio sal, as vezes vemos irmãos que dizem que ir á luta é errado e que devemos somente orar e ficar quietos em um cantinho esperando uma ação divina! Como?!? Nós somos o reino de Deus chegando!!! Através de nós o maranata vem se cumprindo, a igreja não deve ser omissa, Rene Padilha afirma que missão é a ação que exige explicação! Ou seja, ela explica o porque age, quais são seus objetivos, evangelizar é agir em prol da melhoria e não encarar o mundo como algo falido e que não é preciso mais fazer nada pois está tudo fadado ao fracasso, este pensamento nos leva a entender que Deus já nos condenou por nossos pecados e então não há mais nada a fazer, isso é o que pensam alguns que ainda estão presos aos livros de teologia sistemática, a predestinação que tira toda a esperança de que o reino está sendo implantado e que o amor está sendo exercido, não de longe, não com exigências religiosas, mas pelo puro desejo de fazer, a teologia latino americana rechaça este pensamento, ela não está moldada a padrões fundamentalistas, ultra-ortodoxos ou padrões que vem do norte (Estados Unidos da América) que acreditam realmente no destino manifesto, ou seja, acreditam que Deus os elegeu como colonizadores do mundo e sua cultura como superior, o famoso american way of life, cuja a realidade é radicalmente diferente da nossa, a teologia latino americana vem já há muito tempo rompendo com esses padrões e trazendo a tona nossa realidade e como transformá-la através do evangelho de libertação integral! O evangelho todo, para o homem todo, para todos os homens!!!!!!

                                                                                                                             Texto de Rodrigo Santos