sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Um modo de fazer teologia, equilibrado, dinâmico e vital.


Por Rodrigo Santos.

Bem vindos ao meu blog! Esse é meu primeiro texto publicado nele, espero que gostem e se quiserem comentem, desde de já agradeço sua visita e boa leitura!

Vejo a contextualização do legado wesleyano, suas doutrinas e costumes um modo equilibrado de fazer teologia. É certo que não devemos viver no passado de glórias e esquecer do presente e futuro, mas as lições aprendidas com a história devem sim fazer parte da cosmovisão wesleyana (no caso do texto metodista), olhar para Wesley é olhar para a vanguarda é sobrepor a história empobrecida da igreja extremamente legalista e apática ao mundo ao seu redor e a caminhada que está proposta á sua frente, a teologia bem aplicada nunca se oporá ao serviço, muito pelo contrário dará ferramentas úteis a excelência neste ato, era isso que o Wesley propôs e concretizou em sua vida e ministério e que o metodismo esqueceu ou simplismente ignorou em nome de uma escatologia inocentemente perversa (ou será conscientemente?) e descompromissada com o amor de Cristo ao próximo e implantação do reino na terra, a pergunta fica, somos imitadores do Mestre, ou caricaturas?
Wesley era um homem equilibrado e talvez por isso muitas vezes incompreendido até achavam que não tinha um posição teológica definida, já que seguia sempre a via média, porém sua teologia era sempre equilibrada com a experiência que todo cristão deveria experimentar, isto não impedia Wesley de definir suas posições teológicas que não se comprometiam em ser ortodoxas ou experienciais, o equilíbrio era o foco, visto que uma depende da outra, a experiência é fundamental para o cristão, pois testifica o Deus ao qual se crê, fortalace a fé daquele que experimenta e abre a visão pois traz transformação, visto que a própria é executada pelo Santo Espírito de Deus. Wesley fazia críticas aos que se guiavam somente pela experiência, e alardeava a respeito de vãs teologias a que esses pregavam, pois era loucura de suas mentes enfraquecidas pela falta de estudo e meditação na palavra de Deus, Wesley dizia que o que precisamos para a salvação está na Bíblia e que ele fosse o homem de um só livro, por outro lado Wesley também tecia críticas ao racionalismo extremo ou ao fundamentalismo, visto que a esses faltava o crer em um Deus vivo e que age e opera ontem, hoje e sempre. Tanto é que ele considerava a tradição juntamente com a bíblia os corretivos dos quais não se podia abrir mão. 

Afinal de contas, uma teologia construída com base exclusiva na experiência dá margem para o subjetivismo e o fanatismo, como adverte o próprio Wesley: Quantos há que tomaram a voz da própria imaginação como o testemunho do Espírito de Deus, daí ociosamente concluindo serem filhos de Deus, conquanto estivessem fazendo as obras do diabo!” (Sermão 10: O Testemunho doEspírito, § 1).
A essa amalgamação era chamada por Wesley de “quadrilátero wesleyano”

Experiência                                                     Tradição

                                        Bíblia

Criação                                                               Razão

Esse quadrilátero representa o equilibrio que Wesley tinha em relação as questões de fé, espiritualidade e teologia, o metodismo de Wesley nunca poderá ser acusado de omissão, falta de posição ou conhecimento teológico engessado, visto que a teologia que Wesley ensinava e cria era dinâmica, viva e eficaz. Pois se preocupava com a missão de Deus, voltada para o ser humano na forma de proposta para uma vida ao lado de Cristo em amor. Não aceita o zelo parcial e sectário, mas submete todas as coisas ao crivo do testemunho bíblico, da tradição da Igreja, da experiência cristã e humana, da razão e do bom senso corretamente aplicados, sem desmerecer, além do mais, o conhecimento procedente da observação da natureza.

 O que vemos neste texto é uma síntese do que Wesley acreditava e praticava, ele foi vanguarda assim como outros homens usados por Deus, porém como poucos se preocupou em ser equilibrado e não radicalizar ou pender para uma vertente, vejo que seguiu as orientações do apóstolo Paulo, retendo o que era bom e lançando fora o que não prestava (I Ts. 5.21). Wesley nos ensina e mostra na prática a verdadeira vocação daqueles que creem em um Deus vivo e que age, Wesley se colocou a disposição e foi tremendamente usado, tanto no âmbito teológico, como no evangelismo social, foi um dos primeiros a encarnar a Teologia da libertação e da Missão Integral, muito antes dessas existirem, Wesley foi vanguarda nas mãos de Deus!